27 de dezembro de 2012


Uma coisa é pecar sem consciência da Graça. Outra é pecar com a consciência da Graça.No primeiro caso estabelece-se tristeza amargurada. No segundo caso, surge a renovação da consciência, brotando o arrependimento feliz e cheio de produções de vida.Assim, sem medo, o homem pode começar a si negar, pois ele já não tem que negar quem é.Assim, assumindo quem ele é, morre o “si-mesmo”, que é quem ele não é, mas apenas “demonstra ser”.

Onde há o Evangelho, aí há paz!