18 de outubro de 2010

O TEMPLO PASSOU A SER O LUGAR ONDE A PALAVRA NÃO ESTÁ, MAS TÃO SOMENTE O LIVRO, A ESCRITURA!


“Depois de tanto tempo, vocês já deviam ser mestres, mas ainda precisam de alguém que lhes ensine as primeiras lições dos ensinamentos de Deus. Em vez de alimento sólido, vocês ainda precisam de leite. Hebreus 5:12”
(Raquel Castro)


Não querendo apenas interpretar o texto, mas olhando a cena com percepção espiritual apenas, você já explicou tudo Raquel. E não tendo mais muito a dizer como você mesmo já deixou claro :Crescemos, e já deveríamos ser mestres do mundo cristão, mas ao contrario estamos precisando ser instruídos de novo nos princípios elementares do evangelho de Cristo. Crêssemos sem ganhar verdadeira consciência banhada pela Graça.
O livro de Hebreus em particular foi escrito para os muitos judeus cristãos que estavam voltando atrás, deixando a fé na suficiência da Graça de Deus em Cristo, e retornando ao sistema da Lei e de seus cerimonialismos. Portanto, trata-se de uma epistola que adverte quanto ao fato de que o templo, a arca, e tudo o mais, já haviam passado.
Ora, esses que um dia creram na Cruz, que foram iluminados e que se alegraram no amor de Deus, mas que deixaram a alegria da fé e voltaram para os jugos da Lei, colocando a sua fé num sistema caduco.
Hoje, infelizmente, o lugar de segurança (o nosso berço- igreja); é a hospedaria da santa inquisição psicológica; é a morada dos espíritos da mentira; é o covil dos enganadores mais puníveis da terra; é a praça das falsas aparências; é o jardim dos loucos que vendem lucidez desconhecida; é o templo dos homens deuses; é a oficina na qual “Deus” é concertado pelos mecânicos da teologia ou dos novos moveres; é a guardiã das doutrinas dos homens. Dentro dela está cheio de gente boa, e também de gente boba! A minha dor é ver que muitos assim sentendem, mas, ainda assim, não querem crescer.
Mas Ele não nos chamou para retroceder.
Um hebreu é um ser a caminho, desinstalado, livre, andarilho, aberto, sempre em progresso. E, nós, cristãos, deveríamos aprender com eles.
Os judeus são os nossos mestres, não para o nosso bem se os imitarmos; mas para o nosso total beneficio, se os NÃO imitarmos; e não fizermos da “igreja”(nosso berço) uma falsa terra prometida.
Nosso chamado é para sermos Igreja—Os chamados para fora - Fora da segurança de um frágil berço.
Se for para ser um “crianção”... Melhor seria ser como o “ladrão da cruz” aquele que se converte e morre.
Silvania Itaboray.